O que você procura
você está no Hospital Esperança Olinda
Hosp Israelita
Hosp Niteroi D'Or
Hosp Assunção
Hosp Norte D'Or
Hosp Badim
Hosp Oeste D'Or
Hosp Bangu
Hosp Quinta D'Or
Hosp Barra D'Or
Hosp Ribeirão Pires
Hosp Bartira
Hosp Rios D'Or
Hosp Caxias D'Or
Hosp SANTA LUZIA
Hosp Copa D'Or
HOSP SÃO LUIZ
Hosp e Mat Brasil
Hosp São Marcos
Hosp Esperança Olinda
Hosp Sino Brasileiro
Hosp Esperança Recife
Hosp Villa-Lobos
Hosp iFor
Hospital Copa Star
HOSPITAL REAL D'OR
Mudar hospital

Releases


13/02/2015 - Faça diferente neste Carnaval: doe sangue

Faça diferente neste Carnaval: doe sangue

 

 

A festa do reinado de Momo é um dos principais períodos em que os estoques dos bancos de sangue diminuem. Com um alto índice de acidentes e cirurgias, os hospitais precisam recorrer a essas instituições para atender pacientes e salvar vidas. “É preciso que as pessoas se sensibilizem e quem ainda não é doador se torne. É um ato simples e de fundamental importância”, salienta o diretor médico do Hospital Esperança Olinda, Marcos Reis.

 

 

Um dos principais mitos é que doar sangue dói. “Não há motivos para sentir medo. Doar sangue não dói”, quem afirma é o bancário Paulo José Lino, de 51 anos. Doador desde 2002, em novembro de 2014 ele precisou de transfusão quando submetido a uma cirurgia no coração, realizada pela equipe do Esperança Olinda. “Perdi uma quantidade considerável de sangue e fiquei muito debilitado. Eu, que já ajudei tanta gente, um dia precisei de ajuda. E a transfusão foi fundamental para a minha recuperação”, conta. Paulo também lembra o quanto é importante a doação espontânea: “salvar vidas, sejam elas conhecidas ou não, traz muita felicidade”, afirma.

 

Cada pessoa doa cerca de 450ml de sangue. Entre o cadastro, a triagem, a coleta, o lanche e demais orientações, a doação dura em média 50 minutos. E em pouco tempo o organismo se reabilita: de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), nas primeiras 24 horas após a doação o organismo repõe o volume de sangue doado.

 

Outro grande benefício é que uma só bolsa de sangue pode ajudar mais de um paciente. Isso porque os hemocomponentes são separados, como o concentrado de hemácias (utilizado em pessoas com anemia, que sofreram acidentes ou passaram por cirurgias), o concentrado de plaquetas (fundamental no tratamento do câncer e em transplantes) e o plasma (fundamental para alguns problemas de coagulação).

 

Dados e recomendaçõesOrganização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o percentual ideal de doadores para um país esteja entre 3,5% e 5% de sua população. No Brasil esse número é preocupante, pois não chega a 2%. Essa quantidade sofre uma queda alarmante durante o inverno, as férias e as festas, como o Carnaval. Para ser um doador, a pessoa deve pesar no mínimo 50 kg, ter entre 18 e 65 anos, estar devidamente descansado e alimentado e portar um documento com foto. O intervalo recomendado entre uma doação e outra é de dois meses para os homens e de três para as mulheres.