O que você procura
você está no Hospital Esperança Olinda
Hosp Israelita
Hosp Niteroi D'Or
Hosp Assunção
Hosp Norte D'Or
Hosp Badim
Hosp Oeste D'Or
Hosp Bangu
Hosp Quinta D'Or
Hosp Barra D'Or
Hosp Ribeirão Pires
Hosp Bartira
Hosp Rios D'Or
Hosp Caxias D'Or
Hosp SANTA LUZIA
Hosp Copa D'Or
HOSP SÃO LUIZ
Hosp e Mat Brasil
Hosp São Marcos
Hosp Esperança Olinda
Hosp Sino Brasileiro
Hosp Esperança Recife
Hosp Villa-Lobos
Hosp iFor
Hospital Copa Star
HOSPITAL REAL D'OR
Mudar hospital

Releases


19/02/2015 - Mononucleose - a doença do beijo

Mononucleose – a doença do beijo

 

A animação do Carnaval contribui para que as pessoas fiquem mais desinibidas e o clima de paquera tome conta dos dias de folia. No entanto, se você distribuiu muitos beijos nos últimos dias, é preciso atentar à existência de uma doença bastante propensa nesse período: a mononucleose infecciosa, mais conhecida como “doença do beijo”. Causada pelo vírus Epstein-Barr (EBV), ela é contraída pela saliva e começa a se desenvolver após um período de incubação que dura de 30 a 50 dias. O vírus invade as células que revestem o nariz e a garganta, afetando os linfócitos B, glóbulos brancos responsáveis pela produção de anticorpos.

 

A mononucleose acomete principalmente jovens de 15 a 25 anos. Dentre os fatores que influenciam a transmissão da doença estão más condições de higiene e grande concentração de pessoas, o que facilita a dispersão do vírus.

 

Os sintomas mais comuns são febre, dor de garganta, inchaço dos gânglios, dificuldade para engolir, dores musculares, fadiga e perda de apetite. A pessoa pode apresentar ainda crescimento do fígado e do baço. Como os sintomas são muito parecidos com os de uma forte gripe, é importante evitar a automedicação e procurar um médico. “O diagnóstico deve ser preciso. Durante o exame físico, o médico pode encontrar gânglios inchados na região do pescoço e amígdalas inflamadas, mas só um exame de sangue é capaz de confirmar a doença”, explica o infectologista Moacir Jucá, do Hospital Esperança Olinda. O tratamento consiste em se combater os sintomas com antitérmicos, analgésicos e anti-inflamatórios.

 

“A virose não é fatal e a recuperação, geralmente, ocorre em poucos dias. No entanto, ela pode levar a complicações como meningite, encefalite, anemia hemolítica e rompimento do baço, por isso merece atenção”, alerta o médico. Como não há vacina para a mononucleose infecciosa, a principal maneira de prevenção são a higiene e os cuidados no trato com as pessoas infectadas.