O que você procura
você está no Hospital Esperança Olinda
Hosp Israelita
Hosp Niteroi D'Or
Hosp Assunção
Hosp Norte D'Or
Hosp Badim
Hosp Oeste D'Or
Hosp Bangu
Hosp Quinta D'Or
Hosp Barra D'Or
Hosp Ribeirão Pires
Hosp Bartira
Hosp Rios D'Or
Hosp Caxias D'Or
Hosp SANTA LUZIA
Hosp Copa D'Or
HOSP SÃO LUIZ
Hosp e Mat Brasil
Hosp São Marcos
Hosp Esperança Olinda
Hosp Sino Brasileiro
Hosp Esperança Recife
Hosp Villa-Lobos
Hosp iFor
Hospital Copa Star
HOSPITAL REAL D'OR
Mudar hospital

Artigos Cientificos


12/07/2016 - Neurofeedback e o tratamento para pacientes que sofreram AVC


 

 Por: Theo Marins*

 

Graças aos avanços tecnológicos dos últimos anos, hoje é possível que controlemos nossa própria atividade cerebral. Isso é possível através do neurofeedback, uma técnica que permite que, através de ferramentas de neuroimagem, um computador “leia” a atividade cerebral de um paciente e o informe de volta em tempo real. Dessa maneira, neurocientistas de todo o mundo vêm desenvolvendo estudos que mostram que quando um paciente recebe um neurofeedback, ou seja, quando é informado sobre a própria atividade cerebral, ele consegue modifica-la.

 

Sabe-se que doenças neurológicas ou psiquiátricas como depressão, TDAH, entre outras, são causadas por um mau funcionamento de regiões cerebrais. Com o neurofeedback, é possível que o paciente aprenda a controlar e normalizar a atividade cerebral que está alterada pela doença, e consequentemente, atenuar ou extinguir os sintomas da doença. O mesmo se aplica ao Acidente Vascular Cerebral (AVC), popularmente conhecido como Derrame.

 

Após um AVC, é grande a quantidade de pacientes que apresentam problemas de movimento, como andar e escrever, exatamente ocasionado por um mau funcionamento do cérebro. Sendo assim, o neurofeedback pode ser uma ferramenta importante para tratar pacientes que sofreram AVC.

 

Antes de aplicarmos o neurofeedback em pacientes, é preciso entender melhor sua ação em voluntários saudáveis. Na pesquisa que estamos desenvolvendo no IDOR, que faz parte da minha tese de doutorado na UFRJ, estamos aplicando o neurofeedback em voluntários saudáveis para entender se eles são capazes de controlar a própria atividade de regiões cerebrais responsáveis pelo movimento da mão. Além disso, queremos saber se ao adquirirem controle dessas regiões cerebrais, os voluntários também irão aumentar a eficiência de alguns movimentos da mão. Em outras palavras, aprender a controlar a atividade de regiões cerebrais responsáveis pelo movimento da mão faz com que uma pessoa realize melhor movimentos da mão?

 

Caso a gente confirme que, utilizando o neurofeedback, é possível aumentar a atividade de regiões cerebrais responsáveis pelo movimento e que isso tem impacto positivo sobre o movimento da mão, teremos fortes indícios de que pacientes que sofreram AVC também poderão ser beneficiados desta técnica. Em uma fase posterior do estudo, iremos aplicar o neurofeedback em pacientes que sofreram AVC e observar se esta técnica contribui para a recuperação de movimentos.


*Graduado em Biomedicina pela Universidade Federal Fluminense (UFF) em 2012, obteve seu título de mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Morfológicas no Instituto de Ciências Biomédicas na Universidade Federal do Rio de Janeiro (ICB / UFRJ) em 2014. Atualmente, é aluno de doutorado pela mesma Instituição (ICB/UFRJ). As linhas de pesquisa em que atua contemplam temas como neurofeedback, neuroplasticidade, reabilitação motora, neurofisiologia, neuroanatomia e neuroimagem. Atua em projetos que utilizam técnicas de Ressonância Magnética (RM) para a investigação de neuroplasticidade em humanos saudáveis e em doenças como Acidente Vascular Encefálico (AVE), tumores e malformações, sob orientação das professores Fernanda Tovar e Jorge Moll.